Viajar é bom, mas retornar para casa é ainda melhor

Por Pedro Henrique Costa Krüger

Um Bento Freitas vazio não faz sentido. Quando há jogo no carpete verde, o estádio (mesmo em reforma) pulsa — mas não há luta, grito ou batucada desde o dia 11 de junho. Depois de muito viajar e cortar de fora a fora o país, o Xavante vai reencontrar a Baixada. É o gol mais importante das últimas rodadas.

Mesmo no período longe de Pelotas, o Brasil como mandante foi arrasador: 83,3% de aproveitamento, o maior da Série B – e poderia ser 100% pois tivemos dois gols mal anulados contra Luverdense e Náutico. O que muda é a presença massiva da torcida, que também atingiu a maior média de ocupação de estádio do certame.

Além disso, o protagonismo Xavante volta a direcionar os holofotes a Pelotas, finalmente, impulsionando-a, mesmo que timidamente, a crescer; logo ela que é uma cidade tão carente nesse sentido. O Brasil na Série B é uma vitória pintada em vermelho e preto para todo mundo.

Enfim, são muitos motivos para festejar o definitivo retorno ao lar. A faixa “bem-vindos ao inferno” voltará a ter sentido.

Acredito que boa parte da torcida tem motivos para questionar alguns erros cometidos que atrasaram o nosso retorno ao estádio, ou até mesmo os motivos que levaram a afastá-lo, mas é um assunto pertinente demais para apenas um parágrafo — inclusive já foi abordado aqui no BlogXavante.com. Vale, aqui, somente a celebração por voltar a um dos recantos mais autênticos do verdadeiro futebol brasileiro: o Bento Freitas.









Comentar

Nossos parceiros

?>