Em jogo de recuperação, Brasil empata com o Vila Nova

Em jogo de recuperação, Brasil empata com o Vila Nova

Brasil sai atrás do placar mas busca o empate contra o Vila Nova-GO no estádio Bento Freitas. Felipe Garcia mais uma vez foi o grande do Brasil na partida marcando duas vezes.

O JOGO

O Brasil começou a partida com o mesmo impeto de sempre, marcando forte a muito agressivo no ataque. Já nos primeiros minutos as chances de gol foram aparecendo. Mas o ataque do Vila Nova era muito rápido, principalmente com Fabinho. A primeira grande chance de gol foi do Brasil com Diogo Oliveira. O meia Xavante recebeu passe de Elias dentro da área e no domínio já tirou o goleiro Edson da jogada. Na hora de tocar para dentro, a zaga do Vila Nova tirou quase em cima da linha. Mas quem abriu o placar foi o time goiano. Em cobrança de falta pela lateral direita, Fabinho cabeceou a bola sozinho no segundo pau e Reginaldo tocou para dentro, quase em cima da linha. Quando o Brasil tentou colocar a bola no chão para buscar o empate, Fabinho avançou pela esquerda e cruzou na área. Fabinho chutou cruzado e Marlon ao tentar afastar, furou e a bola sobrou no pé de Robston que bateu rasteiro no canto de Eduardo Martini. Era o segundo gol do Vila Nova aos 36 minutos.

Com dois gols atrás no placar, o Brasil seguiu em busca do seu primeiro gol. E ele veio com o artilheiro Felipe Garcia aos 40 minutos. Elias avançou pelo meio e passou para Ramon, o atacante Xavante cruzou a bola na cabeça de Felipe Garcia que tocou para dentro do gol do goleiro Edson. Dois minutos depois, Diogo Oliveira quase marcou um gol de placa no retorno ao Bento Freitas. O maestro recebeu pelo lado direito de ataque e saiu driblando toda a defesa goiana. No último drible, Diogo puxou para a perna esquerda e bateu de chapa, em curva, e caprichosamente a bola beijou o travessão. Seria um golaço. Ainda antes do final do primeiro tempo, Diogo Oliveira arriscou na entrada da área e Edson colocou para escanteio.

Na segunda etapa o Brasil voltou com tudo. Já com 35 segundos de jogo o Brasil já conseguia um escanteio. E com um minuto de bola rolando no segundo tempo, o Brasil teve seu segundo escanteio. Na sobra da zaga, Leandro Leite levantou a bola na área e Felipe Garcia ganhou no alto e tocou de cabeça para Teco. O zagueiro Xavante deu uma de atacante e cruzou para Ramon que dominou de direita e bateu de esquerda mas Edson defendeu, mas a bola sobrou nos pés de Felipe Garcia que só teve o trabalho de empurrar para dentro. Era o segundo gol do Brasil e o nono de Felipe Garcia. Aos 5 minutos Victor Bolt largou a mão no rosto de Felipe Garcia e levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. O Bento Freitas foi a loucura. Aos 13 minutos o Brasil perdeu uma grande chance de gol com Ramon. Felipe Garcia puxou contra ataque pela direita e cruzou para Ramon na entrada da área. O camisa 11 do Brasil bateu de primeira para grande defesa de Edson.

Mas quando o Brasil dominava a partida o zagueiro Teco deu uma chegada forte por trás em Fabinho e levou o segundo cartão amarelo e na sequência o vermelho. Lance sem necessidade nenhuma de ser parado da forma que foi. Rogério Zimmermann decidiu não colocar um zagueiro em campo, acabou puxando Washington para a zaga. Da metade do segundo tempo até o final, o Vila Nova chegou muito pouco, mas sempre com perigo, e o Brasil resolveu tentar na base do abafa. Nena entrou no lugar de Ramon, Clébson no lugar de Elias e Nem no lugar de Diogo Oliveira. Muitos lançamentos diretos da zaga para Nena não davam em nada. Não por culpa de Nena, já a bola vinha de qualquer jeito. O Brasil ainda tentou aos 44 minutos com cabeçada de Felipe Garcia mas a bola foi para fora. E assim terminou a partida, Brasil 2 x 2 Vila Nova.

Com o empate o Brasil chegou aos 23 pontos e ainda se manteve na oitava posição. A próxima partida será contra o Oeste, na Arena Barueri, na próxima terça-feira.

ANÁLISE DA PARTIDA

O Brasil fez um ótimo jogo ofensivo e um mau jogo defensivo. Tudo bem que o Vila Nova chegou pouco ao ataque, mas quando chegou, marcou. Os dois gols do time goiano foram marcados em falhas de marcação do Brasil. Talvez isso tenha sido o diferencial da partida e que não deu a vitória ao Brasil, a inconsistência defensiva. No ataque quase tudo funcionou muito bem. Ramon centralizado, sem precisar marcar o lateral adversário, participou muito mais dos lances de ataque. Elias jogando pelo lado esquerdo e puxando para o meio, criou bons lances também. E Diogo Oliveira hoje jogou demais. Merecia ter marcado aquele gol que a bola bateu no travessão.

Um fato a ser notado, é a queda de rendimento de Felipe Garcia na segunda etapa em quase todas as partidas do Brasil nessa Série B. Ele simplesmente some do jogo. Obviamente ele tem sido o principal jogador do Brasil na competição, mas ele produz muito pouco nas segundas etapas. Pode ser o cansaço, visto que o que ele corre durante a partida não é piada. Talvez hoje o Nem pudesse ter entrado no lugar dele e não do Diogo. E nossos volantes hoje não foram bem. Leandro Leite muito lento em vários lances, sem chances de corrida contra o rápido ataque do Vila Nova. E Washington, apesar de ter feitos bons desarmes, com a bola no pé foi um terror. No final da partida quase entregou a rapadura para o Vila Nova em um lance bisonho, sorte que os goianos não souberam aproveitar. A torcida do Brasil vaiou o camisa 8 hoje. A paciência para tanto erro de passes parece ter chegado ao limite. Mas o professor Rogério falou em sua coletiva: “- No próximo jogo é Washington e mais dez”.

Mas mesmo desperdiçando muitas chances de gol, o resultado de empate não foi de todo o mal, visto os dois gols tomados no primeiro tempo. O Brasil fez um grande jogo ofensivamente e se não fossem os erros de marcação, com certeza teríamos saído com os três pontos. Vale comemorar o retorno ao Bento Freitas e a manutenção da invencibilidade jogando em casa.

FICHA TÉCNICA

G.E.Brasil: Eduardo Martini, Weldinho, Leandro Camilo, Teco, Marlon, Leandro Leite, Washington, Felipe Garcia, Diogo Oliveira (Nem), Elias (Clebson) e Ramon (Nena). Técnico: Rogério Zimmermann.
Vila Nova-GO: Edson, Magno Silva (Joãozinho), Guilherme, Reniê, Marcelo Cordeiro, Reginaldo, Robston, Victor Bolt, Jean Carlos, Fabinho (Frontini) e Rafinha (Vitor Rossini). Técnico: Guilherme Alves.
Gols: Felipe Garcia aos 40′ do 1º tempo e a 1′ 2º tempo (GEB); Reginaldo aos 26′ e Robston aos 36′ do 1º tempo (VIL).
Cartões Amarelos: Leandro Camilo, Teco e Marlon (GEB); Edson, Magno Silva, Guilherme, Robston, Victor Bolt e Vitor Rossini (VIL).
Cartões Vermelhos: Teco (GEB); Victor Bolt (VIL).

ÁUDIOS

*capturados da Rádio Xavante

VÍDEOS

Compacto Blog xavante

Melhores Momentos – Imagens PFC









Comentar

Nossos parceiros

?>