De xiripa também vale

De xiripa também vale
Por Marcelo Barboza

Depois de tirarmos a toca do Criciúma, tava na hora da toca do Guarani, clube que jamais havíamos vencido na história. Pelotas amanheceu com fortes chuvas e uma ventania danada na sexta-feira, e assim foi durante todo o dia. Na hora da partida a chuva deu uma trégua mas o vento e frio persistiram. E só quem é Xavante sabe o que é aquele vento que desce a Princesa Isabel e desemboca dentro do Bento Freitas. É congelante.

Com a bola rolando, o Brasil começou muito bem a partida. Logo nos primeiros minutos Teco e Itaqui quase marcaram. O Guarani chegou a primeira vez somente aos doze minutos, em um chute sem perigo. O Brasil chegou com perigo novamente com Itaqui em cobrança de falta. O camisa 8 cobrou falta pelo lado direito e a bola beliscou o travessão do goleiro Leandro Santos. Em cruzamentos de Éder Sciola, Juninho e Marcinho tiveram a oportunidade de marcar de cabeça mas mandaram para fora. Antes do apito final na primeira etapa, Teco teve um gol anulado, após cabeçada de Lincom e rebote do goleiro paulista. O zagueiro Xavante estava impedido.

Na segunda etapa o Guarani voltou melhor organizado e Marcelo Pitol começou a trabalhar. Jogando com o vento à favor, o Guarani começou a arriscar chutes de longa distância e Pitol teve que se virar. O Brasil chegou com perigo com Misael, que havia entrado no lugar de Juninho, com uma cabeçada que Leandro Santos defendeu no susto. Ednei ainda cobrou uma falta de longe que tinha destino certo mas Leandro Santos espalmou. O jogo era duro e parecia que o empate persistiria. Mas aos 37 minutos Misael fez linda jogada pela esquerda, driblou Diego Jussani, evitou a saída pela linha de fundo e cruzou para Lincom. O camisa 9 errou no domínio, a bola escapuliu na direção do goleiro Leandro Santos que tentou afastar com o pé mas chutou a bola no joelho de Lincom e a bola entrou. Um gol louco de feio, mas feio mesmo é não fazer gol. Foi aquele gol típico de centroavante. De xiripa, como diria meu pai. O Guarani ainda tentou buscar o empate mas a vitória era rubro-negra naquela fria noite em Pelotas.

Com a vitória o Brasil chegou aos 27 pontos e terminou a rodada na 11ª colocação. O próximo adversário será o Londrina na terça-feira, lá no Paraná, às 19:15h. O Londrina também tem 27 pontos, portanto o jogo será de extrema importância para nós.

O volume de jogo que o Brasil apresentou contra o Guarani foi muito satisfatório. Se impôs desde o início do jogo e por pouco não abriu o placar no primeiro tempo. Na segunda etapa o Guarani voltou melhor mas o Brasil soube aproveitar as oportunidades criadas e marcou um gol chorado, com cara de 1 a 0 magrinho, mas muito importante.

Clemer fez a sua quinta partida à frente do Brasil e venceu pela terceira vez, com um empate e uma derrota. Aproveitamento de 66%. Ótimo. A única derrota foi naquela noite horrorosa onde não vimos a cor da bola contra o ABC em Natal. O empate com o Boa na Baixada foi em uma noite onde se criou demais e não tivemos competência para marcar o gol. Aliás, empurrar a bola pra dentro tem sido a maior dificuldade do Brasil. A defesa parece ter se encaixado novamente. Teco fez uma partida perfeita ontem, não errou nenhum bote e colocou o Eliandro no bolso. O forte do Brasil nos últimos anos sempre foi o jogo defensivo, onde era muito difícil de levarmos gols. Porém esse ano levamos várias goleadas e hoje temos a defesa mais vazada na Série B ao lado do Figueirense, com 29 gols sofridos. Não que hoje temos tudo resolvido lá atrás, longe disso, precisamos melhorar muito, principalmente no jogo defensivo dos laterais. Mas a segurança já é maior.

Éder Sciola, que tem caído nas graças da torcida nas últimas partidas, e até nós brincamos com o bom momento do lateral em nossa Fanpage no Facebook, melhorou da água para o vinho após a chegada de Clemer. Mas essa melhora foi em relação a ele mesmo, ao que ele apresentou no Gauchão e no início da Série B. Sciola ainda apresenta erros defensivos que colocam a nossa zaga em perigo constante. Aos poucos Clemer precisa corrigir isso e, com a confiança que o jogador vem adquirindo, pode melhorar. Na esquerda Breno é muito inconstante dentro de uma mesma partida. Alterna bons e maus momentos. Marlon deve voltar em breve e assumir a titularidade. Logicamente que vai ter que tirar aquela preguiça do corpo que vinha apresentando esse ano.

Rafinha voltou ao time jogando mais centralizado e, dentro do que eu esperava, até que voltou bem. Para quem ficou quatro rodadas fora, com frio e com o gramado pesado como estava, o meia conseguiu desenvolver boas jogadas mas cansou no início do segundo tempo, quando estava errando demais. Deve seguir no time titular pois a criação é o setor de maior carência nesse elenco. Wagner teve várias oportunidades e não soube aproveitar. Aloísio pouco joga e Lenilson, reintegrado ao elenco, não é o jogador que precisamos. Elias já se machucou duas vezes e pelo que conhecemos dele, não é a solução também. Essa é uma posição onde a diretoria tem que investir e trazer um jogador diferenciado. Clemer pode jogar com Marcinho pela direita, Lincom de centroavante e Rafinha pela esquerda, cortando para o meio. O fato é que Rafinha tem que jogar perto da área, onde ele realmente é perigoso. Achei ele muito distante do gol nesse jogo com o Guarani.

Lincom mostrou mais uma vez o quanto é importante. Não fez um jogo espetacular, longe disso, mas foi muito importante fazendo parede nos lançamentos e passes que recebia de costas pro gol. Nisso ele é muito bom. E na única bola que ele concluiu para o gol, marcou. Ele não vai driblar, não vai dar longas arrancadas. Ele precisa de bola no pé e que pifem ele de frente pro gol, onde ele é muito bom. Marcou o seu sexto gol na Série B e já é o artilheiro do Brasil na temporada. E ainda temos o Marcinho, que tem sido o melhor jogador do Brasil nessa Série B. O pequeno Nasarildo é liso demais. Como já falamos aqui, se ele fosse bom nas conclusões, tava jogando na Série A. Ele perde uns gols inacreditáveis, mas daqui a pouco entra costurando pelos lados do campo e criando muitas chances de gol. E como apanha, meu Deus. É o jogador mais importante do time hoje. Misael é outro que entrou bem ontem, contra o Criciúma e contra o Boa. Poderá nos ajudar durante a competição.

Estamos longe de criar a confiança de que poderemos algo a mais nessa Série B. Mas parece que voltamos a ter um pouco de segurança de que a coisa não vai desandar há qualquer momento como vinha acontecendo. Não sei vocês, mas eu tinha a impressão que todo chute do adversário seria gol até algumas rodadas atrás, tamanha a falta de confiança no time. Não que hoje tudo esteja uma maravilha, mas parece que tomamos o prumo novamente. Se mantivermos esse ritmo de jogo, podemos alcançar o grande objetivo dessa Série B, que é a permanência.

Agora vamos com tudo pra cima do Londrina. O retrospecto deles jogando em casa é horroroso e hoje levaram três do Inter. E foram três gols de cabeça. Temos que aproveitar o nosso centroavante e as bolas paradas. Mas, principalmente, continuar buscando o jogo pelo chão, como temos tentado nas últimas partidas.

Foto: Carlos Insaurriaga/AI GEB

ÁUDIOS

*capturados da Rádio Xavante

VÍDEOS

Melhores momentos – Imagens SporTV









Comentar

Nossos parceiros

?>