Na volta ao Castelão, Brasil leva três do Ceará

Na volta ao Castelão, Brasil leva três do Ceará

O Brasil voltou à Arena Castelão na noite dessa terça-feira, estádio de boas lembranças para a torcida Xavante, dessa vez para enfrentar o Ceará em partida válida pela nona rodada da Série B 2016. Mas as boas lembranças ficaram para trás, pois o Ceará venceu a partida por 3 a 0.

A equipe titular do Brasil tinha duas novidades, Clébson no lugar de Diogo Oliveira e Nena no lugar do suspenso Marcos Paraná. Na primeira etapa o jogo foi bem movimentado. O Brasil conseguiu trocar passes e criou algumas situações de gol. A melhor delas foi com Clébson que recebeu na entrada da área, driblou o adversário e chutou forte, mas o zagueiro Charles cortou o chute que tinha direção das redes. O Ceará tentava com chutes de fora da área, principalmente com Rafael Costa. E quando parecia que a primeira etapa terminaria no zero a zero, o Ceará teve uma falta pelo lado direito de ataque. A bola foi cruzada na área e Marlon afastou de cabeça nos pés de Felipe. O meia cearense bateu cruzado para boa defesa de Eduardo Martini, porém o goleiro Xavante rebateu nos pés de Bill, que só teve o trabalho de tocar para dentro. Washington, que marcava Bill, só assistiu ao gol.

Na segunda etapa o Brasil começou bem, com dois chutes de fora da área de Clébson, o grande nome do Brasil na partida, mas as chances acabaram por aí. O Ceará cozinhava o jogo e o Brasil não mostrava força para reagir. Rogério Zimmermann colocou Nathan e Diogo Oliveira em campo, nos lugares de Nena e Clébson. Foi só Nena sair do jogo que o Brasil cruzou cinco bolas na área, para que o pequeno Ramon disputasse de cabeça com a zaga cearense. Incompreensível. O resultado mais justo para a partida seria o um a zero, porém a coisa desandou no final do jogo. Felipe Garcia, totalmente apagado na partida, praticamente sem tocar na bola no segundo tempo, fez falta violenta e levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. Pouco antes Wender havia sentido o joelho em uma disputa de bola e seguiu no jogo totalmente sem condições. Foi aí que o Ceará aproveitou para aumentar o placar. Pela esquerda, Felipe fez grande jogada e cruzou para Bill chutar de primeira para o fundo das redes. E antes do apito final, Xaro, que havia entrado no lugar de Marlon, fez pênalti em Marino. Bill foi para a cobrança e marcou o seu terceiro gol na partida. Nem deu tempo de sair a bola novamente e o fraco árbitro da partida encerrou o jogo.

Com a derrota o Brasil caiu para a oitava posição, ficando a dois pontos do G-4 e a seis pontos do Z-4. A próxima partida já é na próxima sexta-feira contra o Sampaio Corrêa, no Maranhão.

Perder não é o problema, ainda mais para o Ceará fora de casa. O placar justo seria o um a zero. Mas o problema é perder um jogo que daria para somar pontos.

A partida de hoje mostrou novamente as carências do time do Brasil. Temos pouco poder de ataque. O artilheiro Felipe Garcia foi muito mal na partida. Na primeira etapa não deu continuidade às jogadas e no segundo tempo foram raras as vezes que ele tocou na bola. A expulsão triunfou a fraca noite do artilheiro Xavante. Na frente, Nena pouco conseguiu fazer pois a bola pouco chegava. Nathan entrou na segunda etapa e novamente pouco acrescentou. Corre feito um louco e não dá sequência às jogadas. Precisamos colocar Elias em condições de jogo de uma vez para testa-lo. E Washington mais uma vez comprometeu. No primeiro gol ele ficou olhando o Martini defender a bola. Quando pensou em ir nela, Bill já tinha se adiantando e tocado para dentro. Nos passes que precisamos de qualidade, para puxar um contra ataque, ele erra. Nos chutes de fora da área, é tudo para longe. É complicado. Para a função deles temos no banco o Marcão e o Nem. Porém Washington nem falta consegue fazer e não leva cartões para poder sair do time. Vamos ter que aguenta-lo mais um pouco. A impressão é que Marcão ou Nem, entrando no lugar dele, não saem mais do time.

O Brasil precisa de um centroavante. Maurides não é o nome. Refugos dos times da capital não servem. Certa vez dentro do Bento Freitas se ouviu dizer que não precisaríamos de Leandrão para esse ano pois na Série B outros centroavantes melhores apareceriam. Não é o que parece. Estamos sobrecarregando os nossos meias e nosso ataque pouco produz. Ramon é o único atacante que consegue dar sequência ao jogo. E dinheiro para contratar existe. Para essa posição, de finalizador, há de se gastar bem. Não podemos esperar tanto, poderá ser tarde demais.

Desde o início do campeonato sempre falamos em manutenção na Série B. E esse tem que ser o foco do Brasil. Mas as oportunidades estão aparecendo. Contra o Goiás podíamos ter vencido, hoje poderíamos ter feito ponto, assim como contra o Atlético-GO fora de casa. Nos jogos em casa só perdemos pontos onde fomos garfeados pela arbitragem, contra o Luverdense. Ou seja, se capricharmos um poucos mais, se contratarmos bem, podemos lutar por algo mais nessa Série B. Dá pra fazer mais.

FICHA TÉCNICA

G.E.Brasil: Eduardo Martini, Wender, Leandro Camilo, Teco e Marlon (Xaro); Leandro Leite, Washington, Felipe Garcia e Clébson (Diogo Oliveira); Ramon e Nena (Nathan). Técnico: Rogério Zimmermann.
Ceará: Everson, Eduardo (Marino), Valdo, Charles e Tallyson; João Marcos, Richardson, Ricardinho (Tomas Bastos) e Felipe; Rafael Costa (Alex Amado) e Bill. Técnico: Sérgio Soares.
Gols: Bill aos 43′ do 1º tempo, 44′ e 50′ do 2º tempo.
Cartões amarelos: Wender, Xaro e Felipe Garcia (GEB).
Cartões vermelhos: Felipe Garcia (GEB).

Foto: Jonathan Silva / GEB

ÁUDIO

*capturado da Rádio Pelotense AM

VÍDEO

Melhores momentos – Imagens PFC









Nossos parceiros

?>